Cheia e chuva arrastam resíduos e formam ‘tapete’ de lixo em igarapé de Manaus

Em mais uma ano de cheia severa do Rio Negro em Manaus, resíduos sólidos despejados nas margens dos igarapés têm sido arrastados pelas chuvas e pelo forte volume das águas, formado “tapetes” de lixo em diferentes pontos da capital.

Nesta terça-feira (28), o igarapé do bairro São Jorge, na Zona Oeste de Manaus, amanheceu coberto por lixo.

Segundo a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), só neste ano, foram retiradas 4,4 mil toneladas de resíduos dos igarapés, córregos, orlas e praias da capital amazonense. A média diária é de 29,6 toneladas de materiais coletados.

Ao todo, as equipes de limpeza percorrem diariamente 60 quilômetros em trechos fluviais. Áreas como a Manaus Moderna, Panair, Igarapé do Franco, Igarapé do 40, Marina do Davi, porto da Cean, Praia da Lua, e ainda regiões rurais, como comunidade do Livramento, Julião, Abelha e Nossa Senhora de Fátima, são alguns dos pontos que acumulam lixo.

De acordo com o ambientalista Carlos Durigan, o principal problema é a má destinação dos resíduos sólidos e entulhos em toda a cidade.

“Muita gente ainda despeja seus resíduos em nossas áreas verdes e mesmo dentro de igarapés. E estes resíduos acabam por gerar todos os problemas decorrentes desta poluição residual. Seria importante promovermos um esforço redobrado de fortalecer a destinação correta de nossos resíduos e ainda buscar conscientizar a população da necessidade de aderir a estes esforços”, afirma.

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp