Novas fotos do James Webb podem revelar segredos sobre o nascimento de estrelas

Imagens “de tirar o fôlego” de um berçário estelar na Nebulosa de Órion, obtidas pelo Telescópio Espacial James Webb, estão revelando detalhes intrincados sobre como as estrelas e os sistemas planetários se formam.

As imagens, divulgadas nesta segunda-feira (12), lançam luz sobre um ambiente semelhante ao nosso próprio sistema solar quando se formou há mais de 4,5 bilhões de anos. Observar a Nebulosa de Órion ajudará os cientistas espaciais a entender melhor o que aconteceu durante o primeiro milhão de anos da evolução planetária da Via Láctea, disse o astrofísico da Western University, Els Peeters em um comunicado à imprensa.

“Estamos impressionados com as imagens de tirar o fôlego da Nebulosa de Órion. Começamos este projeto em 2017, então esperamos mais de cinco anos para obter esses dados”, disse Peeters.

“Estas novas observações permitem-nos compreender melhor como as estrelas massivas transformam a nuvem de gás e poeira em que nascem,” acrescentou Peeters.

Os corações de berçários estelares como a Nebulosa de Órion são obscurecidos por grandes quantidades de poeira estelar, tornando impossível estudar o que está acontecendo no interior com instrumentos como o Telescópio Espacial Hubble, que depende principalmente da luz visível.

Webb, no entanto, detecta a luz infravermelha do cosmos, que permite que os observadores vejam através dessas camadas de poeira, revelando a ação que acontece profundamente dentro da Nebulosa de Órion, disse o comunicado. As imagens são as mais detalhadas e nítidas tiradas da nebulosa — que está situada na constelação de Órion, a 1.350 anos-luz da Terra — e a mais recente oferta do telescópio Webb, que começou a operar em julho.

“Observar a Nebulosa de Órion foi um desafio porque é muito brilhante para os instrumentos sensíveis sem precedentes de Webb. Mas Webb é incrível, Webb pode observar galáxias distantes e fracas, assim como Júpiter e Órion, que são algumas das fontes mais brilhantes no céu infravermelho”, disse o pesquisador Olivier Berné do CNRS, o Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica, no comunicado à imprensa.

As novas imagens revelam inúmeras estruturas dentro da nebulosa, incluindo proplyds — uma protoestrela central cercada por um disco de poeira e gás no qual os planetas se formam.

“Nós nunca fomos capazes de ver os detalhes intrincados de como a matéria interestelar é estruturada nesses ambientes, e descobrir como os sistemas planetários podem se formar na presença dessa radiação severa. Essas imagens revelam a herança do meio interestelar em sistemas”, disse Emilie Habart, professora associada do Institut d’Astrophysique Spatiale (IAS) na França.

Também claramente visível no coração da Nebulosa de Órion está o aglomerado trapézio de jovens estrelas massivas que moldam a nuvem de poeira e gás com sua intensa radiação ultravioleta, de acordo com o comunicado de imprensa. Entender como essa radiação afeta os arredores do aglomerado é fundamental para entender a formação de sistemas estelares.

“Estrelas jovens massivas emitem grandes quantidades de radiação ultravioleta diretamente na nuvem nativa que ainda as rodeia, e isso muda a forma física da nuvem, bem como sua composição química. Como isso funciona com precisão e como isso afeta mais a formação de estrelas e planetas ainda não é bem conhecido”, disse Peeters.

As imagens serão estudadas por uma colaboração internacional de mais de 100 cientistas em 18 países conhecidos como PDRs4All.

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp