18 de abril de 2021

Vacina da AstraZeneca/ Oxford é eficaz contra variante encontrada em Manaus, indica estudo preliminar

Os dados preliminares da pesquisa indicam, até o momento, que não será necessário fazer adaptações à vacina para que ela proteja contra a variante P1, que tem se mostrado mais transmissível que cepas anteriores do coronavírus.

RIO – Dados preliminares de um estudo feito pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca indicam que a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica com a universidade britânica induz resposta adequada contra a variante de Manaus do coronavírus, disse à agência Reuters nesta sexta-feira, 5, uma fonte com conhecimento sobre o assunto. A informação foi confirmada pelo jornal Estadão com pesquisadores brasileiros envolvidos no estudo.

De acordo com essa fonte, os dados preliminares do estudo, feito após envio de amostras pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), indicam, até o momento, que não será necessário fazer adaptações à vacina para que ela proteja contra a variante de Manaus, conhecida como P1 e que tem se mostrado mais transmissível que cepas anteriores do coronavírus.

vacina oxford
Estudo indica que vacina da AstraZeneca/Oxford é adequada contra variante de Manau Foto: Oli Scarff/AFP

“Os resultados preliminares são bem adequados para P1. Indicativo que não necessita (de adaptação)”, disse a fonte, que pediu para falar sob anonimato, acrescentando que os resultados definitivos do estudo devem sair “muito em breve”, possivelmente ainda no mês de março.

A variante do coronavírus originada em Manaus vem sendo apontada como um dos fatores que levaram ao recrudescimento da pandemia de covid-19 no Brasil. A doença já matou mais de 260 mil pessoas no país.

A Fiocruz firmou parceria com a AstraZeneca para o envase e futura produção integral da vacina contra Covid-19 no Brasil. Até o momento, 4 milhões de doses da vacina importadas prontas da Índia estão sendo aplicadas no Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde. A expectativa da Fiocruz é que as primeiras doses da vacina envasadas no Brasil sejam entregues ao Ministério da Saúde a partir de meados deste mês.

Procurada, a Fiocruz informou que não tem informações no momento sobre o estudo, que é liderado pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford. A AstraZeneca e a Universidade de Oxford não responderam de imediato a um pedido de comentário./REUTERS

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp