Decreto que proíbe abertura de bares, praias e flutuantes no AM é prorrogado por mais 30 dias

O Governo do Amazonas prorrogou por mais 30 dias o decreto que proíbe o funcionamento de bares, praias e flutuantes por conta de um novo aumento de casos de Covid-19. A informação foi dada pelo governador Wilson Lima nesta terça-feira (27), em coletiva de imprensa.

A medida foi determinada no dia 24 de setembro, após quatro meses de flexibilização do isolamento. Até segunda-feira (26), mais de 4,4 mil pessoas morreram com a doença no estado.

O sistema público de saúde do Amazonas voltou a lotar por conta de internações de Covid-19. Nesse fim de semana, o Hospital Delphina Aziz, referência no tratamento da doença, teve quase 100% de taxa de ocupação.

Em coletiva, o governador Wilson Lima voltou a descartar que o Amazonas esteja passando por uma segunda onda do novo coronavírus. A primeira aconteceu entre abril e maio, quando houve colapso nos sistemas de saúde e funerário.

“Nós não temos indicativo de segunda onda, mas há algumas situações que tem nos deixado em estado de alerta”, disse. Lima descartou decretar “lockdown” em Manaus por conta do aumento.

O que segue proibido até 27 de novembro:

  • o acesso às áreas de praias para recreação;
  • o funcionamento de balneários e flutuantes;
  • o funcionamento de bares, mesmo que na modalidade restaurante.
  • a realização de eventos em casas noturnas, boates, casas de shows e imóveis, destinados à locação, para esta finalidade, tais como casas, sítios, chácaras, associações e clubes.

O que pode funcionar, com restrições:

  • os restaurantes e as lanchonetes, até o horário limite das 22h;
  • os eventos sociais, desde que obedecido o limite de 50% da capacidade do local do evento, respeitado o limite máximo de 200 pessoas, com término até 0h, além do cumprimento das orientações de distanciamento e higiene;
  • as convenções comerciais e feiras de exposição, obedecido o limite de 40% da capacidade do local do evento e respeitado o limite máximo de 500 pessoas no local, além do cumprimento das orientações de distanciamento e higiene já fixadas.
  • as lojas de conveniência e estabelecimentos similares, até as 22h, ficando proibido o consumo de bebidas alcoólicas no seu interior, bem como na área externa.

O decreto autoriza a aplicação de multas aos estabelecimentos flagrados descumprindo determinações. A população pode denunciar casos de descumprimento por meio do 190. Dentre as penalidades previstas, estão:

  • advertência;
  • multa diária de até R$ 50 mil para pessoas jurídicas, a ser duplicada por cada reincidência;
  • embargo e/ou interdição de estabelecimentos.

Copyright © G1 AM

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp