Imagens fortes: Veja fotos chocantes de Tati Minerato após lipo que quase a matou

A história do procedimento estético mal sucedido feito por Tati Minerato no dia 18 de maio no hospital Saint Peter parece estar longe de chegar ao fim. Em junho, a ex-Panicat sofreu complicações após fazer uma lipoaspiração na região da cintura e ficou internada 10 dias no hospital Ipiranga, em São Paulo.

“Eu paguei à vista o valor de R$ 14 mil. Após 10 dias, abriu um buraco nos meus dois seios”, revelou ela, que não teve apenas problemas na lipo que realizou, mas também na troca de próteses de silicone feita na mesma ocasião. Nas fotos, é possível ver que há deiscência de sutura, termo médico utilizado para designar quando a cicatriz se abre.

“Ele pediu que eu fosse imediatamente no consultório. Após me examinar, fez a sutura dentro do seu próprio consultório com anestesia local. Já nesse momento, eu sofri horrores, doeu demais!”, relembra ela, citando o médico Felipe Tozaki.

A mãe da musa do Carnaval de São Paulo explicou que Tati notou manchas vermelhas pelo corpo e ficou indisposta dois dias depois do procedimento estético. Ainda segundo ela, piorou com o novo remédio, chegou a ter 40 graus de febre e se sentiu fraca. A mãe da ex-panicat disse ainda que os médicos a informaram que Tati corria o risco de ter uma infecção generalizada.

“No local da lipo, percebi que estava tudo vermelho e inchado e mostrei para ele. Ele me passou um ciclo de medicação que fez a bactéria criar resistência, pois a dose havia sido passada de forma errada. Dali em diante, comecei apresentar febre diária, dores intensas”, conta.

“Fiquei 11 dias da primeira internação e depois mais 24 dias. Um total de 35 dias internada para tratar a infecção decorrente da cirurgia estética que o doutor Felipe fez em mim. Ele nunca me ajudou em nada, a minha vida foi salva pelo SUS, pelo hospital Ipiranga. Ele não me deu nenhum suporte nenhuma assistência”, contou Tati.

O colunista Leo Dias teve acesso a documentos comprovando que Minerato esteve internada por duas vezes: a primeira vez no dia 5 de junho, no Hospital Estadual Geral Ipiranga, em São Paulo, aonde ficou até 16 de junho. Como seu caso não apresentou melhora, teve de retornar ao mesmo hospital para uma nova internação no mês seguinte, em 11 de julho, ficando internada até 8 de agosto.

“Sou extremamente grata ao hospital Ipiranga que salvou minha vida”, afirmou. Minerato também contou que as complicações a afetaram financeiramente já que ficou 1 mês internada e sem trabalhar, além de todos os gastos com medicação. Segundo fontes, o médico enfrenta mais 2 processos de situações semelhantes, mas estão em segredo de justiça.

Copyright © Metrópoles/ Coluna Leo Dias

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp