26 de janeiro de 2021

Argentina inicia vacinação contra a covid-19

País é o quarto da América Latina a começar imunização, dias depois de Chile, México e Costa Rica; profissionais da saúde receberão doses da vacina russa Sputnik V

BUENOS AIRES – Em meio a expectativas e incertezas, a Argentina inicia nesta terça-feira, 29, a vacinação com a Sputnik V, a vacina russa contra o novo coronavírus. No primeiro momento, apenas funcionários da saúde receberão as primeiras 300 mil doses que chegaram ao país.

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2020 | 09h48
Atualizado 29 de dezembro de 2020 | 11h18 SAIBA MAIS

BUENOS AIRES – Em meio a expectativas e incertezas, a Argentina inicia nesta terça-feira, 29, a vacinação com a Sputnik V, a vacina russa contra o novo coronavírus. No primeiro momento, apenas funcionários da saúde receberão as primeiras 300 mil doses que chegaram ao país.

LEIA TAMBÉM

Tendas de triagem voltam a ser montadas em hospitais de Manaus

Com isso, a Argentina é o quarto da América Latina a iniciar a imunização, dias depois de Chile, México e Costa Rica – enquanto isso, o Brasil segue sem data prevista para começar. 

Conforme havia anunciado o presidente Alberto Fernández, a vacinação teve início às 9h. A campanha foi articulada para que haja vacinação em vários pontos do país. A Província de Buenos Aires ficou com 123 mil doses (41%), seguida por Córdoba (21.900), Tucumán (11.500) e Mendoza (11 mil). Outras regiões receberam menos doses de acordo com a proporção de suas populações e de profissionais de saúde. 

A profissional de saúde Macarena Barrios recebe uma dose da vacina Sputnik V; Argentina deu início à imunização nesta terça Foto: Ronaldo Schemidt/AFP

“A ideia é começar a vacinação com os que têm mais exposição ao risco. É uma verdadeira epopeia fazer a maior campanha de vacinação da Argentina com igualdade de acesso”, disse o ministro da Saúde, Ginés González García, ao iniciar o processo no Hospital Nacional Alejandro Posadas, em Buenos Aires. O ministro disse que a população ainda precisa se cuidar porque leva tempo para a vacina ter efeito a nível comunitário. 

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2020 | 09h48
Atualizado 29 de dezembro de 2020 | 11h18 SAIBA MAIS

BUENOS AIRES – Em meio a expectativas e incertezas, a Argentina inicia nesta terça-feira, 29, a vacinação com a Sputnik V, a vacina russa contra o novo coronavírus. No primeiro momento, apenas funcionários da saúde receberão as primeiras 300 mil doses que chegaram ao país.

LEIA TAMBÉM

Jornalista chinesa que cobriu a pandemia em Wuhan é condenada a quatro anos de prisão

Com isso, a Argentina é o quarto da América Latina a iniciar a imunização, dias depois de Chile, México e Costa Rica – enquanto isso, o Brasil segue sem data prevista para começar. 

Conforme havia anunciado o presidente Alberto Fernández, a vacinação teve início às 9h. A campanha foi articulada para que haja vacinação em vários pontos do país. A Província de Buenos Aires ficou com 123 mil doses (41%), seguida por Córdoba (21.900), Tucumán (11.500) e Mendoza (11 mil). Outras regiões receberam menos doses de acordo com a proporção de suas populações e de profissionais de saúde. 

ctv-xlg-argentina-inicia-vacinao-afp-ronaldo-schemidt
A profissional de saúde Macarena Barrios recebe uma dose da vacina Sputnik V; Argentina deu início à imunização nesta terça Foto: Ronaldo Schemidt/AFP

“A ideia é começar a vacinação com os que têm mais exposição ao risco. É uma verdadeira epopeia fazer a maior campanha de vacinação da Argentina com igualdade de acesso”, disse o ministro da Saúde, Ginés González García, ao iniciar o processo no Hospital Nacional Alejandro Posadas, em Buenos Aires. O ministro disse que a população ainda precisa se cuidar porque leva tempo para a vacina ter efeito a nível comunitário.

O governador de Buenos Aires, Axel Kicillof, foi um dos primeiros políticos a se vacinar. “Hoje é o começo do fim da pandemia na Argentina”, escreveu ele no Twitter, junto com uma foto sua recebendo uma dose do imunizante russo. A Sputnik V prevê uma segunda dose aplicada 21 dias depois da primeira. 

Nesta primeira fase, a vacinação será destinada aos trabalhadores da saúde nos grandes centros urbanos, onde a pandemia teve um impacto maior e onde o risco de uma segunda onda de infecções é mais elevado. Também serão vacinados profissionais da saúde em unidades de terapia intensiva (UTI) e funcionários de laboratórios de diagnósticos.

O plano de vacinação estima um total de 54,4 milhões de doses, considerando um esquema de duas doses e calculando uma taxa de perdas estimada em 15%, que atingiria entre 23 e 24 milhões de pessoas de uma população de 45 milhões. O acordo assinado com os russos prevê o fornecimento de 25 milhões de doses.

O contrato de aquisição da Sputnik V é o terceiro assinado pela Argentina: o primeiro foi com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford – vacina que será aplicada a partir de março, e o segundo com a aliança internacional Covax, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O jornal Clarín escreveu que há dúvidas entre médicos, cientistas e enfermeiros sobre a vacina russa. “Em grande medida porque ainda não foram publicados detalhes da vacina em uma revista científica, o que está previsto para início de janeiro. Referências de diferentes associações e grupos de saúde concordam que falta informação, mas afirmam que, apesar disso, vão tomar a vacina.” 

O ministro da saúde disse que o presidente Fernández está nervoso porque ainda não chegaram os documentos da Rússia sobre a eficácia da vacina em pessoas com mais de 60 anos

“O presidente está nervoso porque não chegam os papéis do estudo, que é o mesmo, mas querem ampliá-lo um pouco mais. Mas saiu com a mesma efetividade, com a mesma quantidade de anticorpos. Calculo que é uma questão de dias.”

A Argentina teve 1.590.513 contaminações por covid-19 e registrou 24.868 mortes. 

ctv-nus-sputnik-v
Argentina começou a vacinar sua população com o imunizante russo Sputnik V Foto: Russian Direct Investment Fund (RDIF)/Handout via REUTERS

VACINA NA REGIÃO

Brasil 

Nenhuma vacina aprovada e nem prazo para iniciar imunização a nível federal. Estado de São Paulo tem acordo com a chinesa Sinovac e prevê início da vacinação no fim de janeiro.

Chile 

País começou a campanha de vacinação no dia 24 de dezembro após receber um lote de mil imunizações das 10 milhões que já comprou da Pfizer. Mais 10 mil doses são esperadas até o fim do ano. Com os outros contratos firmados, governo planeja distribuir 20 milhões de doses durante o primeiro semestre de 2021.

Costa Rica  

Começou a vacinação em 24 de dezembro. O pequeno país da América Central tem contrato com a Pfizer/BioNtech para vacinar 1,5 milhão de pessoas, com a AstraZeneca/Oxford (500 mil) e foi um dos mais ativos nas discussões multilaterais em torno da vacina e na aliança da Covax (1 milhão).

México 

Começou a vacinação no dia 24 de dezembro. Tem parceria com a Pfizer/BioNtech e prometeu 77,4 milhões de doses de AstraZeneca, 35 milhões da CanSino, da China, e espera 34,4 milhões do Covax.

Uruguai

País planeja começar campanha de vacinação em abril de 2021, alcançando 700 mil pessoas na primeira campanha e 500 em seguida. Governo só tem ainda acertado um convênio com o programa Covax, da OMS, disponível para alcançar 20% da população.

Bolívia

Governo ainda não tem nenhum acordo fechado com alguma empresa para a compra de vacinas e, por enquanto, dependerá do programa Covax para iniciar a campanha de vacinação, ainda sem data prevista para começar.

Paraguai

País destinou 7 milhões de dólares para obter 4 milhões de vacinas do fundo Covax. Espera-se que as imunizações cheguem entre maio ou junho de 2021.

Peru

Governo manifestou que receberá vacinas do programa Covax, mas não tem nenhuma parceria com alguma empresa e não tem data de início da campanha de vacinação

Colômbia

País começará a aplicar a vacina nas primeiras semanas de 2021, e tem negócios para adquirir 10 milhões de doses das Pfizer e 10 milhões da AstraZeneca. Mais 20 milhões de doses virão do Covax.

Equador 

País já aprovou a vacina da Pfizer. As primeiras 50 mil doses chegam no país já em janeiro para dar início à campanha de vacinação. Governo também busca aprovar a vacina da Moderna e tem negociações com AstraZeneca/Oxford e Covax.

Venezuela  

Em novembro, o Governo garantiu que no primeiro trimestre de 2021 receberá mais de 10 milhões de doses da Sputnik V e que aguardava acordos com China e Cuba. País também manifestou interesse na vacina da AstraZeneca/Oxford.

Panamá 

O governo anunciou a compra de 3 milhões de vacinas da Pfizer e receberá as primeiras 450 mil doses entre a segunda quinzena de janeiro e a primeira quinzena de fevereiro. O país também comprou um milhão de doses de AstraZeneca.

Copyright © Estadão

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp