Colômbia injeta anticoncepcionais em hipopótamos de Pablo Escobar

A Colômbia pode ter finalmente encontrado uma solução para um dos legados menos conhecidos do notório narcotraficante Pablo Escobar: a invasão de hipopótamos.

Um punhado de hipopótamos trazidos para a Colômbia na década de 1980 para o zoológico particular de Escobar cresceu para uma população de 80, o que levou biólogos a expressarem preocupação com seu impacto ambiental e a ameaça à segurança humana.

Em janeiro, um estudo publicado na revista científica Biological Conservation recomendava que o rebanho em crescimento, que agora vive na natureza no departamento de Antioquia, fosse sacrificado.

Em vez disso, o governo regional tentou castrar os enormes animais, mas a esterilização cirúrgica tradicional é muito perigosa e exigente para se estender a dezenas de animais. Até agora, apenas 11 dos hipopótamos foram esterilizados dessa forma, de acordo com as autoridades locais.

Na sexta-feira (15), porém, a agência ambiental regional, Cornare, anunciou que seus esforços para controlar a população de hipopótamos levaram a mais 24 hipopótamos sendo tratados com um novo método: dardos carregados com o anticoncepcional GonaCon.

Comparado à cirurgia, GonaCon é “uma opção muito mais barata”, de acordo com um comunicado da Cornare. “No entanto, continua complexo, pois os especialistas sugerem a administração de três doses, com base em estudos e comparações feitas em outros animais de grande porte, como cavalos.”

A mesma droga foi testada em outras populações de animais selvagens, incluindo cavalos selvagens nos Estados Unidos, cangurus na Austrália e gado selvagem em Hong Kong, disse ele.

Os cientistas agora devem rastrear a eficácia da droga medindo os níveis de hormônio nas fezes dos hipopótamos.

“Esta é a primeira vez que implementamos este procedimento. Vamos acompanhá-los e monitorá-los para ver o quão bem-sucedido pode ser”, disse David Echeverri López, coordenador do Grupo Cornare de Florestas e Biodiversidade.

A coleção de hipopótamos de Escobar começou com um único macho e três fêmeas. Após sua morte, outras espécies de animais exóticos foram realocados, mas os hipopótamos permaneceram porque eram muito difíceis de capturar e transportar, de acordo com o estudo de Conservação Biológica.

Eles logo começaram a se multiplicar, espalhando-se pela bacia do rio Magdalena a partir de sua casa original cerca de 250 km a leste da cidade de Medellín.

A pesquisa mostrou os efeitos negativos dos resíduos de hipopótamos nos níveis de oxigênio em corpos d’água, que podem afetar peixes e, por fim, humanos.

Os hipopótamos também representam uma ameaça à agricultura e à segurança das pessoas nas áreas afetadas, de acordo com o estudo de Conservação Biológica.

Em maio de 2020, um ataque de hipopótamo deixou um homem de 45 anos gravemente ferido.

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp