19 de janeiro de 2021

Variante do coronavírus é encontrada em pessoas no Japão que estiveram no Brasil

Infectados estiveram no Amazonas. Segundo instituto ligado ao governo japonês, os pacientes apresentaram um vírus com uma mutação semelhante à observada na África do Sul e que preocupa pela capacidade de rápida disseminação.

O governo japonês anunciou neste domingo (10) que as autoridades de saúde do país encontraram uma nova variante do coronavírus em quatro viajantes que estiveram no Brasil e voltaram ao Japão em 2 de janeiro.

De acordo com o Ministério da Saúde do Japão, os quatro infectados estiveram no Amazonas — não há detalhes sobre as cidades por onde eles passaram. Os pacientes apresentaram uma variante semelhante às que se disseminaram rapidamente no Reino Unido e na África do Sul e que preocupam pela maior capacidade de contágio (saiba mais detalhes adiante nesta reportagem).

Segundo o governo japonês, esses pacientes são:

  • Um homem com cerca de 40 anos que chegou ao Japão sem sintomas, mas que, posteriormente, foi internado com dificuldades para respirar;
  • Uma mulher com cerca de 30 anos, com dor de garganta e dor de cabeça;
  • Um jovem de idade entre 10 e 19 anos, com febre;
  • Uma jovem também com idade entre 10 e 19 anos, assintomática.

Procurado pelo portal G1, o Ministério da Saúde brasileiro disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que ainda está verificando os casos relatados no Japão.

O Amazonas, até este domingo, não tinha casos confirmados das novas variantes do coronavírus. No sábado, o estado chegou a 184.268 casos da Covid-19 e 4.972 mortes pela doença. Os números vêm subindo nas últimas semanas.

No Japão, a chegada das novas variantes em dezembro fez o governo proibir a entrada de todos os estrangeiros e declarar estado de emergência, inclusive na capital Tóquio, a menos de 200 dias dos Jogos Olímpicos. O país vive um novo aceleramento de casos e mortes por coronavírus, e o número de diagnósticos diários da Covid-19 vem atingindo neste mês os patamares mais altos desde o início da pandemia.

G1 Brasil

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp