No AM, médico dopa e faz aborto em adolescente que estaria grávida dele

Um médico cirurgião, que não teve a identidade revelada, foi exonerado de suas funções após dopar e realizar aborto em uma adolescente de 17 anos, com quem mantinha um relacionamento amoroso, no município de Tonantins.

De acordo com a polícia, o médico que é casado, suspeitou que a adolescente estivesse grávida dele e realizou o procedimento ilegal. O profissional levou a menina para sua residência e fez o exame de ultrassonografia onde foi confirmada a gestação. Após dopa-lá, ele manipulou o útero com as mãos e fez o procedimento abortivo causando um forte sangramento na adolescente.

Quando a menina acordou, ele disse que ela estava com um cisto e a mandou ir para a casa. Como o sangramento não parava, ela procurou uma unidade de saúde, onde foi comprovada a realização do aborto. No hospital, ela precisou passar por um procedimento de curetagem. Ela continua internada, pois também foi diagnosticada com Covid-19.

Em nota, a Prefeitura de Tonantins disse que repudia esse ato e espera que a polícia tome as medidas necessárias para o caso. O conselho tutelar do
município está acompanhando toda a situação. A polícia do município já está apurando todas as denúncias.

Com A crítica

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp