Vice-governador do Amazonas é alvo de busca em operação da PF

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (PTB), é alvo de busca na segunda fase da Operação Sangria, que investiga desvios em recursos da Saúde, deflagrada na manhã desta quinta-feira (8). A operação da Polícia Federal foi autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Cinco pessoas são alvos de mandados de prisão temporária, entre elas o ex-secretário de Saúde do estado, Rodrigo Tobias, e a ex-secretária executiva da pasta, Daiana Mejia, além de outras três pessoas da cúpula do estado, cujos nomes não foram divulgados. Um deles, segundo o Ministério Público Federal (MPF), seria uma pessoa de confiança do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC). Também são cumpridos nove mandados de busca e apreensão.

A primeira fase da Operação Sangria, deflagrada no dia 30 de junho, resultou na prisão de 8 pessoas, incluindo a secretária de Saúde da época, Simone Papaiz. O governador Wilson Lima foi alvo de mandado de busca e apreensão por suspeita de envolvimento em esquema de compra de respiradores.

Essa é a 2ª fase da operação Sangria. Desta vez, o objetivo é aprofundar a investigação sobre uma organização criminosa instalada no Governo do Amazonas com o objetivo de desviar recursos públicos destinados a atender às necessidades da pandemia de Covid-19.

As medidas cautelares incluem, além de prisão e buscas, o sequestro de bens e valores de seis investigados pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e também por promover a dispensa de licitação fora das hipóteses previstas em lei.

A assessoria particular do vice-governador Carlos Almeida informou ao G1 que ainda não vai se pronunciar sobre o assunto. Por enquanto, aguarda o levantamento de mais informações sobre a operação.

O Governo do Amazonas informou, por meio de nota, que está contribuindo com a apuração dos fatos pela Polícia Federal e órgãos de controle e que “a ação de busca e apreensão envolve, em grande parte, pessoas que já não fazem mais parte da estrutura de Governo, bem como servidores que não atuam como ordenadores de despesas ou tenham poder de decisão na estrutura do Estado ou da investigação em questão”.

O G1 esteve na sede do Governo do Amazonas, na Avenida Brasil, em Manaus, e constatou a presença de policiais federais no local. A reportagem ainda busca contato com os outros alvos da operação.

Segundo o MPF, provas obtidas na 1ª fase da Sangria mostram que o governador Wilson Lima exercia domínio completo não apenas dos atos de aquisição dos respiradores para enfrentamento da pandemia, mas também das demais ações governamentais relacionadas à questão. Para a procuradoria, atos ilícitos teriam sido praticados na ocasião.

Vice-governador

Carlos Almeida, segundo a investigação dos procuradores, com base em registros já reunidos pelo MPF, tinha grande influência na gestão da Secretaria de Saúde, onde atuou durante os três primeiros meses de governo. As provas apontam que a cúpula da Secretaria de Saúde se reportava frequentemente ao vice-governador para tratar de contratos da área de saúde, inclusive sobre pagamentos.

No pedido enviado ao STJ, a subprocuradora-geral da República indicou que o inquérito em curso investiga o direcionamento na contratação da empresa; sobrepreço e superfaturamento na aquisição dos respiradores; organização criminosa; lavagem de dinheiro; montagem de processos e adulteração de documentos, com a finalidade de encobrir os crimes praticados.

A compra fraudulenta de 28 respiradores teria movimentado R$ 2,9 milhões. Os aparelhos, segundo laudo pericial da PF, foram comprados, sem licitação, com sobrepreço de até 133%.

Copyright © G1

Compartihe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
E-MAIL

Veja também:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp